domingo, 4 de abril de 2010

Seguindo Estrelas



Assisti dias desses “Herbert De Perto” (2009) direção de Roberto Berliner e Pedro Bronz. O documentário segue a linha das cinebiografias musicais sobre os nossos poetas urbanos do rock dos anos 80.

Sempre gostei muito da banda, da pegada da bateria de João Barone, um monstro das baquetas; o Bi-Ribeiro que executa seu contrabaixo com vontade e destreza e, lógico das mãos precisas de Herbert Vianna. Sua voz não é maravilhosa, mas seus versos e melodias compensam isso facilmente.

De família oriunda da Paraíba, foi durante a infância e adolescência um andarilho – já que o pai militar da aeronáutica por força do oficio estava sempre em ‘trânsito’.

O filme é sensível, às vezes pega pesado nos temas mais delicados – como o acidente de ultraleve sofrido pelo músico que vitimou sua esposa Lucy e o deixou entre a vida e a morte em um hospital no Rio de Janeiro. No geral é tudo muito bem delineado, e fica evidente a barra pela qual o cantor atravessou no pós 2001.

Logo no inicio um depoimento do próprio Herbert uma década antes do acidente que choca pela fatalidade:

“Acho que eu sempre consegui todas as coisas que eu quis e não vejo nada que eu não me sinto capaz de conseguir. Mesmo se a gente parasse e acontecesse uma tragédia, eu ia começar de novo e ia conseguir tudo de novo”.

Em seguida o Herbert atual solta o verbo: “Esse Mané não sabe nada a respeito do quê está dizendo”.

Aqui a humanização do filme atinge o seu ápice e justifica plenamente a existência da película.

É simples assim:

“Sigo palavras e busco estrelas
O que é que o mundo fez
Pra você rir assim
Pra não tocá-la, melhor nem vê-la
Como é que você pôde se perder de mim
Faz tanto frio, faz tanto tempo
Que no meu mundo algo se perdeu
Te mando beijos
Em outdoors pela avenida
E você sempre tão distraída
Passa e não vê, e não vê”.

Ver...é isso!
O filme, vale a pena.

Trilha Sonora
Artista: Paralamas do Sucesso
Música: Seguindo Estrelas

6 comentários:

Elaine Barnes disse...

Obrigada pela visita. Gostei do comentário aqui sobre o Herbert,no fundo acho que a gente já sabe o que vai acontecer com a gente né?! Ele fala da tragédia e aconteceu. Ele realmente recomeçou. Muito lindo tudo! Feliz Páscoa! Montão de abraços

Alan Silva disse...

Ótimo blog e obrigado pela visita. Pena que não concordo com O. Wilde quando diz: "A arte, felizmente, ainda não soube encobrir a verdade".

"Pois temos a arte para não morrer com a verdade" Nietzsche

Abraço

Sil.. disse...

Jonathas, obrigada pela visita no meu blog. Ganhei mais um amigo, e são esses detalhes da vida que me fazem tão feliz. E a gente aprende a dizer NÂOOO mesmo né? rs, eu me privei muito disso pra não magoar os outros, e vivia dilacerada. A magoada era eu, mas a gente aprende.
Quanto ao seu post, eu amooo os paralamas, eles representaram uma fase tão boaaaa na minha vida e ainda continuam.
Herbert é superação, é exemplo de vida pra mim. Que eles brilhem sempre!!
Um abraço enorme pra ti!!

Mariá Ortolan disse...

ahhh, Paralamas é tudo de bom *-*
as letras são as melhores, confesso ahha

gostei do teu blog viu (:
passarei mais por aqui o/

e muito obrigada pelo comentário no meu blog
volte sempre la

beijos;*

Hana disse...

Gsteo li aki sigo aki fico a ler seus post, obrigada por compartilhar.
com carinho
Hana

Márcia Sanchez Luz disse...

Parabéns pelo blog, Jonathas. Adoro Paralamas.
Obrigada pela visita. Volte sempre!
Abraços,
Márcia