terça-feira, 31 de julho de 2012

Anjos da Noite X Cidade "Limpa"



Existem 14 mil moradores em situação de rua na metrópole de São Paulo. Dias desses a Prefeitura da cidade tentou vetar a distribuição de sopa realizada por ONGs (mais de cinquenta entidades) a esses moradores, forçando os mesmos a procurarem as tendas e albergues oferecidas pela prefeitura da maior cidade da latina américa.

Kassab você se travestiu de Hitler... COVARDE!

Kassab pede pra sair... Já deu seu covarde, pede pra sair! 

Por essas e outras se eu pudesse iria embora deste país... COVARDE.

Na vitrola – O jornalista e poeta Álvaro Alves de Faria dá o seu recado

sábado, 28 de julho de 2012

Holograma



Mas eu só no apartamento
escrevendo memórias num velho computador...

“A música é como a trilha sonora de um filme imaginário. Não ouço sons, imagino paisagens”.

Na Vitrola: The Smiths – This Charming Man

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Lamento



O meu azar é ser sincero
não suporto a indiferença
me magoa a apatia
não seguro a raiva
a frustração de não mentir
quando o que mais deveria fazer era
fingir...

O poeta é um fingidor...
Definitivamente não sou poeta!
sou poesia,
intensa poesia.

O meu azar é ser esse ser oscilante
um flagelo de imperfeições...

meu Deus! por que ainda sofro tanto
por ser um humanista?

O meu azar é ser crédulo
eu acredito...
eu acredito...

da vida preciso duvidar...

Na Vitrola: 10 CC I’m not in love

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Entradas e Saídas



"Sou estranho? Não, não sou.
Afinal, como os outros me veem
Não é problema meu. Aliás, é PROBLEMA DELES".

Você saí mais triste pela porta de saída do que você entrou?
Isso vale para seus relacionamentos, suas tentativas, acertos e erros grotescos.


A minha ingenuidade sempre me empurra a sentimentos suicidas...

E mesmo assim, continuo te achando LINDA!

Na vitrola: Henry Mancini - Lujon

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Lá Embaixo



Debaixo da terra deve ser bem escuro.
não verei mais o sol, nem a lua
não sentirei mais a chuva batendo no meu rosto
nem tampouco verei você...

Bem, também não forçarei mais o meu sorrir
pois, não existe espelho embaixo da terra.
A vida às vezes parece comercial de creme dental,
Só vale sorrir e dizer que você é feliz...
Ah! Os malditos otimistas de plantão
Só eles são felizes... (me engana que eu gosto...)

É eu perdi...
mas, quem ganhou mesmo?
Acho que foi o Sardinha, o gato.
E quem sabe ao certo dessas coisas?

Nisso sou ignorante...

Na vitrola: Ritchie – Mercy Street

terça-feira, 24 de julho de 2012

Velha Infância



Na infância eu adorava rodar, rodar, rodar o meu corpo feito pião e depois deitar-me ao chão...

Eu achava que a tontura que sentia a seguir era o efeito da rotação do planeta...

Ficava por minutos ali abraçando o mundo...

Quando se é criança o mundo é seu!

Na vitrola: Suede – The Wild Ones

domingo, 22 de julho de 2012

Sentir



Eu fico pensando em nós dois deitados no meio do sereno
Olhando o céu estrelado do interior
Um momento de paz
De fé e de comunhão
Não quero mais nada

Na vitrola: The Beatles – If I Feel

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dance, dance, dance



“Acordo. Onde estou? Reflito. Não só reflito, como também me questiono: - Onde estou? – No entanto, esta pergunta não tem nenhum sentido, pois sei exatamente qual é a resposta. Aqui é a minha vida. O cotidiano da minha existência. Algo subordinado à existência real denominada eu. Aqui é um lugar em que, tendo eu aprovado ou não certas ocorrências, fatos e circunstâncias, elas se tornaram parte de minha existência...”.

Em Dance, Dance, Dance (1988) Haruki Murakami descreve uma aventura criativa “pop kafkiano” ambientada em um hotel estranho e, onde a relação entre suas personagens (também estranhas) é entremeada com o universo do rock e da música pop do século 20. De Paul Mauriat à Duran Duran, passando por Dylan, Clapton, Bowie, Human League, etc.

O leitor vaga pelos corredores, quartos, recepção e outros recantos do Hotel dos Golfinhos numa engenhosa e cativante estória que aos olhos do leitor sugere rotinas, dados e pinceladas do cotidiano nosso de cada dia, seja Londres, Tóquio, BH, sampa ou Bombaim.

Como vivo entre um hotel e outro, tendo a estrada como ponte entre universos distintos, me agrada muito a percepção sutil e humorada do escritor maratonista.

O escritor japonês é um dos meus favoritos por identificação e admiração pessoal. “Tenho três coisas que me ajudam...

-um gato, música e livros. (isso é singelo). Belo!

Além do mais o cara ainda é maratonista, eu também corro, não maratonas, mas gosto de ouvir o meu corpo em ação.


Na vitrola: Bob Dylan - It's all over now baby blue

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Na Linha do Horizonte



José Roberto Bertrami partiu no último dia 8. O Azymuth é referência no mundo quando se fala em fusion, jazz, rock progressivo e outras misturas. No Brasil é desconhecido obviamente...
Minha singela homenagem ao artesão sonoro Bertrami.
É eu vou pro ar no azul mais lindo eu vou morar.
Eu quero um lugar que não tenha dono qualquer lugar.
Eu quero encontrar a rosa dos ventos e me guiar.
Eu quero virar pássaro de prata e só voar.

É aqui onde estou essa é minha estrada por onde eu vou.
E quando eu cansar na linha do horizonte eu vou pousar...

Na vitrola: Azymuth - Voo Sobre o Horizonte



quarta-feira, 18 de julho de 2012

Estranhos...



Não dá pra falar em pequeno amor,
seria como falar em pequeno oceano...

amor = liberdade

Na vitrola: Cake – Strangers in the night

terça-feira, 17 de julho de 2012

Brasil For Nordeste



Em 1985 artistas brasileiros uniram forças para angariar fundos em prol dos flagelados da seca no nordeste, uma espécie de Usa For Africa tupiniquim. 

Bem, já faz tempo, a seca continua sendo um problema politico no país, por isso ainda persiste. Só que hoje em dia um novo projeto como o Nordeste Já conseguiria apenas reunir artistas de categoria duvidosa... Ivetes, Claudinhas, Luans, Robertas, Michels e, por aí vai.

Não é preciso ser saudosista para comprovar que a qualidade não é mais a mesma. Em geral o que falta é cultura, apenas isso. Sim, existem zilhões de artistas interessantes no chamado underground, mas evidentemente eles não comovem grandes gravadoras que hoje em dia apenas apostam no óbvio gosto duvidoso, o que incluí o novo filão da Som Livre, o tal gospel que não tem nada de GOSPEL.

Pra matar saudades...

Na vitrola: Nordeste Já! (Chega de Mágoa)

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Frio



Eu fitei meus olhos no horizonte, distante, longínquo... Estiquei meu ânimo, mas não renovei nenhuma inspiração.  

A noite caiu trazendo consigo o frio que congela a alma quando olhamos ao redor, acima e abaixo e só vemos um espelho turvo refletindo o próprio semblante angustiado a espera do tiro de misericórdia, do epilogo sarcástico do acaso.

Avistaria a terra prometida, o arco íris mágico, o quintal da minha infância? Exalaria o odor da terra molhada, da chuva que avizinha um temporal?

Poderia ser diferente sim, mas não foi. Agora observo a foto da atriz a me olhar, escondendo aquele sorriso meigo...

Frio, frio, frio...

Na vitrola: Suede – Europe my Playground

domingo, 15 de julho de 2012

Paris Sempre Paris



Lembrando Paris...

Uma brincadeira no inverno parisiense... Inventei de fazer uma edição com correção para câmera tremida... Ficou uma droga! (rsrsrs).

Mas tenho saudades daqueles dias.

Na vitrola: Sidney Bechet - Si tu vois ma mère

sábado, 14 de julho de 2012

Sim, Procure...



Gosto deste poema meu...

É inacessível
não está aqui
nem ali
transitório?

Sim.

Tudo aqui
é provisório.

Eu
passarei
a música
findará
o artista
será esquecido
as flores
murcharão.

Não.

Um anjo me enredou:

-Esperança... ainda, entretanto, todavia,
nunca desista de alimentar a esperança.

Existe o amor!

Freddie Mercury - Guide Me Home

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Melancolicamente



Está tudo tão calmo hoje por aqui no “Paraíso”, meu novo lar. Não resisti e coloquei Morrissey no Ipod ‘vitrola’ (tu podes, nós podemos).

Fiquei sozinho em casa pensando em amigos que não deram certo juntos... Desolação, não sei, tristeza mesmo quando algo promissor não dá certo... Mas não adianta lamentar o leite derramado, a vida é muito mais que dinheiro para ter aquilo, isso, aquilo outro e, se alguém não percebe o que se passa ao redor com olhos para enxergar o invisível a vida acaba desse jeito, decadente, melancólica e triste...

“Felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito. Tem gente que diz que não será feliz enquanto não casar, enquanto outros se dizem infelizes justamente por causa do casamento. Você precisa ser feliz tomando sorvete, levando os filhos para brincar. Quando era recém-formado em São Paulo, trabalhei em um hospital de pacientes terminais. Todos os dias morriam nove ou dez pacientes. Eu sempre procurei conversar com eles na hora da morte. A maior parte pega o médico pela camisa e diz: "Doutor, não me deixe morrer. Eu me sacrifiquei a vida inteira, agora eu quero ser feliz". Eu sentia uma dor enorme por não poder fazer nada. Ali eu aprendi que a felicidade é feita de coisas pequenas. Ninguém na hora da morte diz se arrepender por não ter aplicado o dinheiro em imóveis."

Roberto Shinyashiki

Na vitrola: Morrissey - Hairdresser on Fire

quarta-feira, 11 de julho de 2012

O Faz de Conta Corporativo



Em 2005 o psiquiatra Roberto Shinyashiki concedeu uma entrevista interessante a Revista Istoé abordando assuntos sobre o mundo corporativo e seu maldito faz de conta. 

Abaixo alguns trechos:

Shinyashiki -- O mundo corporativo virou um mundo de faz-de-conta, a começar pelo processo de recrutamento. É contratado o sujeito com mais
marketing pessoal. As corporações valorizam mais a auto-estima do que a
competência. Sou presidente da Editora Gente e entrevistei uma moça que
respondia todas as minhas perguntas com uma ou duas palavras. Disse que ela não parecia demonstrar interesse. Ela me respondeu estar muito interessada, mas, como falava pouco, pediu que eu pesasse o desempenho dela, e não a conversa. Até porque ela era candidata a um emprego na contabilidade, e não de relações públicas. Contratei na hora. Num processo clássico de seleção, ela não passaria da primeira etapa.

ISTOÉ -- Há um script estabelecido?

Shinyashiki -- Sim. Quer ver uma pergunta estúpida feita por um presidente de multinacional no programa O aprendiz? "Qual é seu defeito?" Todos respondem que o defeito é não pensar na vida pessoal: "Eu mergulho de cabeça na empresa. Preciso aprender a relaxar". É exatamente o que o chefe quer escutar. Por que você acha que nunca alguém respondeu ser desorganizado ou esquecido? É contratado quem é bom em conversar, em fingir. Da mesma forma, na maioria das vezes, são promovidos aqueles que fazem o jogo do poder. O vice-presidente de uma das maiores empresas do planeta me disse: "Sabe, Roberto, ninguém chega à vice-presidência sem mentir". Isso significa que quem fala a verdade não chega a diretor?

ISTOÉ -- Temos um modelo de gestão que premia pessoas mal preparadas?

Shinyashiki -- Ele cria pessoas arrogantes, que não têm a humildade de se
preparar, que não têm capacidade de ler um livro até o fim e não se preocupam com o conhecimento. Muitas equipes precisam de motivação, mas o maior problema no Brasil é competência. Cuidado com os burros motivados. Há muita gente motivada fazendo besteira. Não adianta você assumir uma função para a qual não está preparado. Fui cirurgião e me orgulho de nunca um paciente ter morrido na minha mão. Mas tenho a humildade de reconhecer que isso nunca aconteceu graças a meus chefes, que foram sábios em não me dar um caso para o qual eu não estava preparado. Hoje, o garoto sai da faculdade achando que sabe fazer uma neurocirurgia. O Brasil se tornou incompetente e não acordou para isso.

Legião Urbana – Quase sem querer


terça-feira, 10 de julho de 2012

Can't Take My Eyes Off You



Um dos meus atores prediletos por sua versatilidade, cultura e extrema aptidão para enfrentar desafios. Sua vida e carreira foram curtas, porém intensa.

Recordando o inicio...

Heath Ledger – Cant take my eyes off you

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Retorno



Eles voltaram ao estúdio depois de muito tempo. Uma alegria ouvir a nova canção do Blur. Uma balda que lembra “Let it Be” dos Beatles. 

Os “meninos” parecem dispostos a trabalhar um pouquinho e sair em nova turnê mais a frente. No site da banda é possível assistir aos vídeos de Under the Westway e Puritan. De quebra a banda se apresentará na festa de encerramento das olimpíadas de Londres.

Blur – Under the Westway

domingo, 8 de julho de 2012

Em Mi Menor



Eu vi você ao longe
numa tarde de inverno
na praia deserta havia o vento
e o piano sonolento solfejava
uma nota mi menor

George Michael – Wild Is The Wind

domingo, 1 de julho de 2012