domingo, 23 de agosto de 2009

Pulmão de São Paulo

O Parque do Ibirapuera completa 55 anos de existência. Sempre, quando posso, corro pelo parque mais famoso da cidade. O Ibirapuera retrata um pouco da fisionomia de São Paulo. Nem tudo em sampa é cinza.

Das recordações musicais do Ibirapuera – Sarah Brightman entoando “Nessun Dorma” é uma das mais marcantes.

Obrigado sagrado pulmão nosso de cada dia, misturando-se ao concreto da urbe, você sempre será um recanto de belas paisagens e, boas vibrações.

5 comentários:

Davi disse...

Parabéns ao pulmão de sampa!

Sempre muito bom escutar a ária de Puccini(Turandot). Melhor ainda na voz de Sarah.

Aliás, o cenário do show no Ibirapuera lembra muito o original da gravação do cd e dvd "La Luna - Live in Concert" com Brightman no Royal Albert Hall juntamente com a English National Opera Orchestra/London.

Quando ela canta “Nessun
Dorma”, flutuamos...

Flutua-se. Não é à toa que é a trilha sonora do "vôo" de Ramón Sampedro (interpretado por Javier Bardem no filme Mar Adentro) ao encontro da sua amada Julia (Belén Rueda).

Definitivamente, uma bela homenagem ao parque e, sem dúvidas, inspira um ótimo início de semana.

Abraços.

Jonathas Nascimento disse...

Davi,

O cenário de fato é do DVD "La Luna - Live in Concert". O show em São Paulo aconteceu no mesmo ano, mas não houve registro. A culpa é minha que esqueci de informar de onde sairam as imagens.

Abraços,

Davi disse...

Bom dia Jonathas

Confesso que, se você não tivesse esclarecido, eu contiuaria achando que o cenário havia sido montado no ipirapuera. Fiz associação porque assisti tanto ao show como ao dvd. Porém, o que impora mesmo é a ópera e a voz de Sarah.

Davi disse...

Ocorreu-me agora uma frase dita pelo "genial" comentarista de futebol da "Vênus Platinada", Sr. Galvão Bueno.

O "brilhante" jornalista esportivo, durante a narração da solenidade de abertura das Olimpiadas de Pequim e ao ver Sarah cantando em madarim juntamente com um cantor lírico chinês em cima de um enorme globo terrestre (que cenário!!!), em plena rede nacional proclama mais uma das suas "pérolas" nacionalistas e destituídas de massa encefálica:

"Consta aqui no meu roteiro da programação que o nome dessa cantora é Sarah Brightman. Ela é inglesa e é famosa naquele país por cantar ópera. Mas, é pouco conhecida fora da Inglaterra. Não é, por exemplo, como nossa popular e internacional Ivete Sangalo. Aliás, são estilos muito diferentes. Nossa Ivete é a nossa Ivete. Faria essa platéia ir ao delírio. Faço esclarecimento porque sei que o publico brasileiro, como eu, nunca ouvimos falar no nome dessa senhora e é evidente que ela só está em cima desse globo porque é da Europa".

O vídeo com essa declaração virou piada nacional e ficou semanas como um dos mais vistos da internet. Foi muito engraçado e trágico (a gente sente até vergonha pela ignorância e ufanismo do "sem noção" e chato Galvão). Até a "fake" e "aguada" da Ivete deve ter ficado constrangida...rsrs.

Lambrei de outra coisa que vi na net essa semana. Acho que a entrevista do Galvão com o Felipe Massa no último fantástico deveria entrar para a galeria dos "momentos isuportáveis" da televisão brasileira. Qdo assisti pela net, não acreditei em tanto pieguismo explícito. Imediatamente lembrei de Jonathas. rsrs. Pensei: se ele assistiu deve ter "adorado". rsrs

Abraços.

Jonathas Nascimento disse...

Nunca, na História, houve patriotas a quem se aplicasse tão exatamente, tão literalmente e com tanta justiça a observação de Samuel Johnson, de que o patriotismo é o último refúgio dos canalhas. O chatão Bueno é símbolo deste momento em nosso país!

Ah! Coitado...não pode nem andar pelas ruas que é xingado, vaiado, paga caro por ser chapa branca.