sábado, 24 de março de 2012

Memorável



Chico Anysio morreu na tarde desta sexta-feira (23) no Rio de Janeiro, aos 80 anos. Estamos ficando órfãos da pequena e seleta galeria de gênios deste país. Chico Anysio foi, sobretudo alguém autentico, corajoso, irrequieto, um artista da estirpe dos dragões, pessoas que falam o que pensam e sustentam suas ideias até o final custe o que custar.

É curioso olhar a Fênix Prateada cobrindo o fato – a morte de Chico Anysio. Num país sem memória deve ser fácil para os paus mandados da diretoria global pensar que todos serviçais brasileiros são iguais. Pessoas chatas em geral possuem uma memória prodigiosa, ou no mínimo atenta.

Durante praticamente toda a primeira década de 2000 a Rede Globo deixou Chico na geladeira, principalmente por suas criticas a própria emissora, como se ele não pudesse colocar o dedo nas feridas da emissora, logo ele, um dos fundadores da TV brasileira.

Em 2000 em uma entrevista concedida a Revista Istoé Chico disparou sua metralhadora na direção da então diretora global Marluce Dias da Silva:

“A doutora Marluce me trata bem, é muito delicada comigo. Profissionalmente, acho que não gosta do meu trabalho. Talvez me considere superado. Tenho consciência do meu talento, do meu valor”, disse Chico à revista. A globo não pensava o mesmo, azar deles.

Posteriormente criticou com propriedade a contratação a peso de ouro da emissora carioca de nomes insossos da TV como Serginho Groisman, Luciano Huck e Ana Maria Braga. Todos plenamente dispensáveis de qualquer grade de programação de uma televisão que valorize a inteligência e a educação enquanto valores universais.

A genialidade do cearense da pequena Maranguape no Ceará foi fazer-nos rir de nossas próprias mazelas e desgraças. Com seus 209 personagens (filhos que ganharam vida própria) Chico nos fez rir dos absurdos, da pilantragem, da arrogância, e da falta de caráter dos nossos políticos. Nos fez rir também da soberba e vaidade dos artistas da nossa televisão, das personas que utilizam a religião para explorar ao próximo, e criou até um personagem “sério” que não nos fazia rir e sim refletir - o Profeta (vídeo acima).

Não é exagero dizer que quando olhávamos para as personagens criadas por Chico Anysio enxergávamos a nós próprios, o Brasil.

Todos fomos algum dia ou ainda seremos Salomé, Bozó, Bento Carneiro, Pantaleão, Alberto Roberto, Coalhada, Washington, Urubulino, Véio Zuza, Roberval Taylor, Professor Raimundo, Nazareno, Justo Veríssimo, Nicanor, Linguinha, Painho, e fomos também seus alunos na Escolinha do Professor Raimundo.

Aproveite a vida! 

Sem dúvida Chico sabia bem o que isso representava. E agora saberemos na dolorida prática como este país vive perigosamente a ausência de artistas completos e generosos, quanto mais de genialidades universais como o querido e insuperável Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho.

O Céu está gargalhando de nós brasileiros. Obrigado Chico Anysio!

4 comentários:

Flávio disse...

uma frase famosa de chico anysio: 'todos nós humoristas somos insubstituíveis". respeito a opinião do genial artista. mas, definitivamente, ninguém é insubstituível...que bom!
a obra de arte de um artista está acima do bem e do mal. porém, como o post não se limitou a homenagear o artista e tocou em outros temas, acredito que inoportunos para o momento, sinto-me também compelido a comentar algumas afirmações.
por conta das 'memórias', é bom lembrarmos que todos nós somos passíveis, até porque nenhum de nós é insubstituível, de cometermos erros e respondermos por aquilo que falamos, escrevemos...
uma pessoa vinculada a determinada empresa e sendo deliciosamente não politicamente correta pode e deve girar sua metralhadora em torno das críticas à mesma. porém, não pode afirmar que não conquistou desafetos pois falou em público (verdades e mentiras) da vida íntima dos seus colegas. proclamou os nomes das mulheres casadas ou não casadas (públicas e artistas como o próprio chico) que conseguiu 'levar para cama'. inadequado escrever isso nesse momento de luto (mas também não sou politicamente correto): coisa de cafajeste.

se temos mágoas por considerarmos que um filho foi preterido a um determinado papel porque um outro artista fez o 'teste do sofá' com esse ou aquele diretor, não deveríamos acusar toda direção da emissora de serem homossexuais e de que grande parte dos atores que fazem parte dessa mesma empresa só terem sucesso porque são gays e não talentosos. e os testes dos sofás heteros que nós mesmos fizemos?

notícias da 'anta': ela se afastou da emissora 'maldita' faz uns dez anos e não teve nada a ver com a 'geladeira' que o artista injustamente recebeu dos marinho na primeira década desse novo século. chico falou o que quis. como diz o ditado: 'quem fala tudo o que quer também ouve o que não quer'. isso vale para todos nós. todos os que têm coragem ou não de se expor. a 'anta' se afastou e foi muito bem sucedida na luta contra um câncer que lhe ameaçava a vida. a 'anta' se recolheu, em muitos momentos da sua vida, ao carinho dos familiares no recife e preferiu não mais compactuar com as diretrizes da emissora que se julga acima do bem e do mal. a 'anta' (independente de não ser brilhante como, por exemplo, era chico)não pára de trabalhar e de continuar fazendo coisas boas e ruins. porém, sou suspeito para falar da 'anta' politicamente correta e sem genialidade alguma...

é muito difícil vivermos nos sentindo injustiçados por que uma ou outra pessoa, aparentemente menos capaz que nós, conseguiu o que, aparentemente, não conseguimos. difícil ficarmos presos às comparações do que é ou não é dispensável independente do país em que vivamos. resta-nos arregaçarmos as mangas e lutarmos contra tudo e contra todos para realizarmos nossos sonhos. nem sempre conseguimos. isso não é culpa de ninguém...

o próprio chico provou isso. saiu de uma terra 'daninha' para outra terra 'daninha'. independente da sua vida íntima e das colocações infelizes que fez durante a vida, prevaleceu o artista. é esse artista que deve ser imortalizado e não suas colocações pessoais, às vezes deturpadas da vida, e da sua idolatria pela emissora 'maldita' com a qual se relacionava entre amores e ódios explícitos ou implícitos.

cabe sim à maldita explorar a morte do 'seu' artista' da forma mais hipócrita como bem lhe convém. o próprio artista foi permissivo a esse fato. permitiu-se continuar recebendo um dos maiores salários da tv, mesmo continuando na 'geladeira'. é o preço que se paga por não ousar novos caminhos. mas, cada um faz o que pode e não o que quer. quem sou eu para julgar, em minha infinita decadência intelectual, um grande artista?

ainda bem que os 'céus' não riem e nem choram...ainda bem que nossa 'glória' não está nessa terra 'maldita'.

Jonathas Nascimento disse...

Bem, não acho que Chico tenha sido injustiçado, mas houve uma clara opção da emissora por negócios em detrimento de conteúdo, o que certamente é legitimo. Chico nunca foi santo, errou sim no caso dos homossexuais, e provavelmente em outros tantos, mas tinha também o direito de cutucar a Globo, afinal gostava da emissora, foi ela quem lhe possibilitou extravasar suas idéias. Não parecia ter guardado mágoas em relação a Globo, penso que o mais importante seja realmente o seu trabalho e concordo que poderia neste post ter focado apenas este aspecto, mas também não sou santo e cometo meus deslizes e leviandades (em relação a Marluce) falei de algo da qual me informei parcialmente, neste caso deveria ter ficado quieto.

Flávio disse...

você nunca foi, não é e nunca será leviano... você possui uma infinita capacidade de amar... isso faz com que você fique inquieto com as injustiças... isso move sua capacidade de ser um 'artista maldito' e de se rebelar contra o politicamente correto.

nesses vários dias lendo os posts e me resignando a não comentar, tenho sentido cada vez mais da sua capacidade inexorável de amar e não se conformar com as coisas desse mundo. esse sentimento tem bastado e qualquer palavra que eu possa escrever comentando não será capaz de traduzir o que sinto.

polêmicas a parte, deixo algumas frases felizes e infelizes (fica a critério de cada um definir) do nosso chaplin:

'uma mulher que não sabe quem ele foi, não pode dirigir uma tv'. sobre marluce dias da silva, então diretora geral da globo, que teria dito não conhecer a importância do falecido apresentador J. silvestre. J foi importante?

'as mulheres estão descobrindo que mulher é bom, coisa que os homens já sabem há séculos'. as comunidades gays o tacharam de machista. mas, quem não é? os próprios gays são machistas.

'claro que eu tenho depressão. tive seis mulheres, nove filhos e dez netos. se eu não tivesse depressão, teriam de me internar, porque eu seria um psicopata'. essa é muito boa. mas, só uma correção: teriam que internar na depressão (se fosse grave) porque psicopatas devem ir para cadeia.

'tem coisa que não se discute: filhos detonam qualquer casamento. são maravilhosos, mas fatais'. além dos sete biológicos, ele adotou mais dois. um homem de imenso amor. porém, será que são os filhos que detonam um casamento ou nós mesmos? às vezes é difícil admitirmos nossas culpas. quem tem culpa?

'não tenho confiança em goleiro negro. o último foi o barbosa, de triste memória'. não devemos levar em consideração. ele amou negros maravilhosos como grande otelo. essa é uma declaração de um torcedor fanático por futebol.

'vamos falar do mundo, mundo moderno
marco malévolo
mesclando mentiras
modificando maneiras
mascarando maracutaias
majestoso manicômio
meu monólogo mostra
mentiras, mazelas, misérias, massacres
miscigenação
morticínio, maior maldade mundial
madrugada, matuto magro, macrocéfalo
mastiga média morna
monta matumbo malhado
munindo machado, martelo
mochila murcha
margeia mata maior
manhazinha move moinho
moendo macaxeira
mandioca
meio-dia mata marreco
manjar melhorzinho
meia-noite mima mulherzinha mimosa
maria morena
momento maravilha
motivação mútoa
mas monocórdia mesmice
muitos migram
mastilentos
maltrapilhos
morarão modestamente
malocas metropolitanas
mocambos miseráveis
menos moral
menos mantimentos
mais menosprezo
metade morre
mundo maligno
misturando mendigos maltratados
menores metralhados
militares mandões
meretrizes marafonas
mocinhas, meras meninas,
mariposas
mortificando-se moralmente
modestas moças maculadas
mercenárias mulheres marcadas
mundo medíocre
milionários montam mansões magníficas
melhor mármore
mobília mirabolante
máxima megalomania
mordomo, mercedez, motorista, mãos
magnatas manobrando milhões
mas maioria morre minguando!
moradia meiágua, menos, marquise
mundo maluco
máquina mortífera
mundo moderno melhore
melhore mais
melhore muito
melhore mesmo
merecemos
maldito mundo moderno
mundinho merda!'...

chico maravilhosamente maldito!

Jonathas Nascimento disse...

É isso, eu me deixo muitas vezes me levar pela comoção do 'maldito' do anti-heroí e Chico nem era isso. Genial sim, imperfeito idem. Não estou acima do bem e do mau com certeza, fiquei triste pela morte dos 209 Chicos, estamos orfãos de nós mesmos! Obrigado, abraços, saudades dos seus comentários!!!